BLOG CARLOS RIBEIRO

BLOG CARLOS RIBEIRO

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Notícia de Saquarema - Baile do Dia Internacional do Idoso

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
 Nunca tive outra idade senão a do coração.

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
A Prefeitura de Saquarema, através da Secretaria de Promoção Social e Cidadania, realiza nesta sexta (30/09), o baile do Dia Internacional do Idoso.


O evento acontece no Clube Pedacinho do Céu, a partir das 17h.


O Baile será ao som da dupla: Luiz e Geremias e, a entrada, um quilo de alimento não perecível.


Todos os alimentos arrecadados serão doados ao Lar Nossa Senhora do Carmo.

Jardim Esperança recebe visita de representante da Secretaria Estadual de Cultura

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR


*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
No último sábado, dia 24 de setembro, o Centro Cultural Anderson Giga Byte, no Jardim Esperança, recebeu a visita do Coordenador de Cultura e Educação da Superintendência de Cultura e Sociedade da Secretaria de Cultura do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Élcio Salles, que veio a Cabo Frio com o objetivo de explicar aos grupos de funk e lan houses da região o encaminhamento dos editais de projetos sobre a cultura funk e a cultura digital do Estado. Com vários grupos de funk e lan houses presentes, Élcio apresentou os editais da Secretaria de Estado e explicou o que é necessário para se inscrever e participar dos editais, além de falar sobre projetos de produção de CDs e DVDs, videoclipes, shows, projetos de circulação musical de equipes de som, MCs e DJs, além de programas de funk por radio webs, desenvolvimento e promoção de conteúdos para websites e blogs que promovam as culturas funk e digital.

O coordenador também se colocou à disposição para esclarecer dúvidas e auxiliar na elaboração de projetos.

Finais dos campeonatos de veterano, Beach Soccer e Sub-13 serão realizados no próximo sábado

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
 
As finais dos Campeonatos de futebol de grama dos Veteranos e sub-13 e do torneio da 2ª Divisão de Beach Soccer acontecerão no próximo sábado (01). No Veterano, o Olaria e o Resto disputam pelo troféu de primeiro lugar no Campo do Rodoviário, às 10h, no bairro São Matheus. Pela categoria Sub-13, o jogo entre Sporting Gol e Iguaba acontecerá no campo do Olaria, às 8h, no bairro Campo Redondo, sem preliminar. Pela 2ª Divisão do Beach Soccer, a final será disputada na quadra de areia na área de eventos, às 21h, no bairro Nova São Pedro.

Vídeo transmitido no seminário "Mestre André, o maestro do povo"

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Seminário de celebração ao eterno Mestre André, que comandou a bateria da Mocidade Independente e revolucionou a história do carnaval carioca - Vídeo apresentado durante o evento ocorrido no Espaço Cultural FINEP (29/10/2009)

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Festival de Música da Paróquia de São Sebastião em Araruama - RJ

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
 – Estão abertas as inscrições para o Festival de Música da Paróquia de São Sebastião, em Araruama. O evento é uma parceria da igreja com a Prefeitura, através da Secretaria de Turismo, e terá como tema “Ecologia”. Cada candidato poderá inscrever, no máximo, três músicas inéditas, para concorrer a prêmio em dinheiro. Mas, quem quiser, também poderá participar com música de tema livre. A inscrição custa R$ 10 por música, e poderá ser feita até o dia 2 de outubro, na secretaria da Paróquia de São Sebastião, no Centro de Araruama, de segunda à sexta, das 8 às 18 horas, aos sábados até o meio-dia, ou nos horários das missas dominicais. No portal da Prefeitura :
Os candidatos também encontram a ficha de inscrição e o regulamento do festival, que terá a final realizada no dia 9 de outubro, na Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, no bairro do Japão.
 
- O festival é um evento importante, porque abre espaço aos compositores e intérpretes da música popular brasileira de todos os gêneros, incentivar o interesse da população pela música como fonte de cultura e lazer, promover intercâmbio cultural com os mais variados profissionais e gêneros musicais do país, revelar novos talentos e despertar a conscientização ecológica através da música – comentou o secretário de Turismo, Mauri de Lanes.


As músicas inscritas deverão ser entregues em CD, com duas cópias da letra na íntegra, acompanhados da ficha de inscrição, totalmente preenchida com letra legível, em um envelope lacrado, identificado com os dizeres “FESTIVAL DE MÚSICA - ECOLOGIA”. No CD deverá ter escrito somente o nome da música, sem o nome dos autores ou intérpretes. A organização lembra, ainda, que nenhum material entregue será devolvido.


Realizado em três etapas, o festival terá a primeira seletiva durante o período de inscrição. Cada material entregue será analisado por uma equipe de profissionais com notório conhecimento na área musical, além de pessoas públicas. O resultado da pré-seleção será divulgado no dia 3 de outubro, e os candidatos aprovados participarão da fase classificatória, nos dias 7 e 8. A grande final será no dia 9.


Os três primeiros colocados na categoria música tema receberão prêmio em dinheiro no valor de R$ 1 mil, R$ 500 e R$ 300, respectivamente. Já os vencedores na categoria tema livre receberão premiação no valor de R$ 800, R$ 400 e R$ 200, respectivamente.

"Estudante de Araruama participa de competição no Caldeirão do Hulk"

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
– A partir deste sábado o município de Araruama estará representado no “Torrecopos”, um campeonato de empilhamento de copos lançado pelo programa Caldeirão do Hulk, da Rede Globo, com alunos de escolas públicas e privadas, com idade entre 12 e 16 anos. Além do prêmio em dinheiro para o primeiro colocado, o primeiro participante que, em qualquer etapa da competição, quebrar o recorde estabelecido pelo recordista mundial Steven Purugganan (empilhamento de 12 copos de plástico em apenas 6.08 segundos), também leva R$ 50 mil para casa. Mauri de Souza, aluno da Escola Municipal Parati, será o representante de Araruama na competição.

- O interessante é que não se trata, apenas, de uma simples brincadeira. Empilhar copos é uma atividade que trabalha habilidades, velocidade, raciocínio, equilíbrio e muita coordenação motora dos alunos – comentou a subsecretária de Educação, Carla Marchon.

A competição foi criada nos Estados Unidos há mais de 40 anos. A modalidade consiste em empilhar, no menor tempo possível, 12 copos de plástico em sequências pré-determinadas. A brincadeira foi transformada em esporte por professores de Educação Física dos Estados Unidos e hoje tem milhares de praticantes ao redor do mundo. Já conta com um campeonato mundial com a participação de mais de 20 países.

Foto: Divulgação Rede Globo

"Atletas de Araruama participarão de seleção para o Rio 2016"

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
(28.09.11) – Cerca de 25 atletas de ginástica olímpica, com idade entre 6 e 16 anos, participarão, no próximo dia 8 de outubro, no Maracanãzinho, de uma avaliação da Federação de Ginástica com foco nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. O convite foi feito no último dia 9, quando a equipe de Araruama visitou o Centro de Treinamento do Flamengo, no Rio, e participou de exercícios ao lado de grandes feras da Ginástica Olímpica brasileira, como os irmãos Diego e Daniele Hipólito e Jade Barbosa.





Sob coordenação de Sebastião Medeiros, os atletas do Flamengo e da Seleção Brasileira acompanharam de perto os movimentos dos atletas de Araruama, e se surpreenderam com o talento de dois pequenos ginastas locais: Odara Moura Vianna (9 anos) e Marcos Paulo Siqueira Ferreira (6 anos), que acabaram selecionados para treinar com a equipe da seleção. Além deles, participaram da viagem os atletas Camila Penetra do Macedo, Clara Graciele Ribeiro Neves, Evando Roza de Brito, Fernanda Shellen Viana Pereira, Flaviane Rodrigues, Horrana Anchieta, Isabele Couto Abrante, Juliana Gonçalves Gomes, Juliana Roza de Brito, Kamila Fernanda da Silva Ribeiro, Lara Medeiros Pires da Conceição, Leandra Costa Costa do Carmo, Leandro da Silva, Milena Siqueira Miranda, Yasmim do Carmo Correia, Sthefany Esterlano de Andrade, Julio Santos e Milena Antunes Marchon, acompanhados do secretário de Esportes, Luiz Claudio Peroca (o Peu), da técnica Vívian Soares, dos auxiliares Marlúbia Ferraz, Bruno Guimarães dos Passos, Marcos Vinicius de Oliveira, Renato Silva e Thamires Coutinho, e dos instrutores Nathalia Brito, Thamires Araújo, Thiago Siqueira, Brendon Vieira e Thais Soares, além de Marcello Behring, gestor do Ginásio Municipal e chefe da Divisão de Desenvolvimento da Educação Física e do Esporte Escolar de Araruama.





- A visita foi muito legal, principalmente porque tivemos o reconhecimento de um trabalho que vem sendo desenvolvido com apoio da Prefeitura na área de ginástica olímpica, no Ginásio Poliesportivo do Complexo Darcy Ribeiro.Através do convite para a Odara e o Marcos Paulo treinarem no Flamengo ficou claro o potencial de nossos Alunos/Atletas e a competência de nossos Profissionais. Mas a visita também pode trazer outros bons frutos para Araruama, como a possibilidade da implantação de um CT rubro-negro na cidade – comentou o secretário de Esportes.



Atualmente, o município possui cerca de 150 alunos inscritos na escolinha de ginástica olímpica, sendo 30 deles considerados atletas de alto rendimento. Os treinos acontecem no Ginásio do Complexo Darcy Ribeiro, no bairro Praia do Hospício, e são abertos ao público.





- Para os alunos da escolinha, os treinos acontecem às terças e quintas (manhã e tarde), e para os atletas de alto rendimento, os treinos são às terças e sextas (tarde) –informou Marcelo Behring, gestor do Ginásio Municipal e chefe da Divisão de Desenvolvimento da Educação Física e do Esporte Escolar de Araruama, lembrando que qualquer criança ou adolescente, com idade entre 6 e 16 anos, pode fazer parte da escolinha. Para isso, segundo ele, basta procurar a administração do ginásio, de segunda à sexta, das 8 às 12h e das 14 às 17h. “Mas só pode participar quem estiver freqüentando a escola” – alertou.

Secretaria de Educação promoverá o II Encontro Municipal de Tecnologia Educacional


*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR



A Secretaria Municipal de Educação realizará, por meio do Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal, o II Encontro Municipal de Tecnologia Educacional – EMTEC 2011, dias 29 e 30 de setembro, no Auditório da Universidade Estácio de Sá – Campus Cabo Frio.


Com o tema “Tecnologia na Escola Pública – Acesse essa Realidade”, o primeiro dia do Encontro será destinado à Mostra de Trabalhos, das 8h às 17h. Os trabalhos selecionados são:


1. Produção de vídeo na escola: as possibilidades com alunos e professores;

2. Tecnologia e Cordel - expressando linguagens;

3. O jornal na sala de aula: um recurso que pode despertar o prazer pela leitura e pela escrita;

4. Todo mundo faz;

5. O papel do professor MT na integração das tecnologias ao currículo;

6. Integrando sala de leitura e laboratório de informática através da produção audiovisual;

7. Educar para transformar;

8. Oficina de produção de vídeo educativo em formato semipresencial utilizando o AVA Moodle;

9. Espanhol em vídeo;

10. Bullyng, aqui nunca mais!

11. Quadrinhos no BrOffice Impress;

12. Produção artística e informática: novas possibilidades com animação e vídeo;

13. Contos de fadas;

14. Ferramentas digitais e aprendizagem;

15. Projeto Sabor de Ler.

No segundo dia, 30 de setembro, das 8h às 12h, serão promovidas as seguintes palestras: Produção de Audiovisual nas Escolas Públicas, pelo diretor do Festival Curta Cabo Frio, Miguel Fornaciari Alencar; Tecnologia e Escola Pública, pela responsável pelo Portal do Professor e Banco Internacional de Objetos Educacionais da Secretaria de Educação Básica do MEC.

Outras informações pelo site: ntmcabofrio.webnode.com.br e pelos telefones: (22) 2647-3459 e (22) 9242-7022.

Momento de Humor!!! Valéria & Janete: Aí Como Eu Tô Bandida...

* Poema feito em homenagem aos 5 anos da ALeART (ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA REGIÃO DOS LAGOS) e recitado na Câmara Municipal de Araruama/RJ no dia 23/09/11.

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
UMA TELA EM VERSOS PARA ALeART



Vem pintando
As letras da cultura
Da Região.

Uma entidade,
Que prioriza a união
Aos braços de nossa Nação.

Numa tela os artistas
Que fazem parte dela,
Pintam as cores com o coração
Aos olhos dos poetas
Em grande emoção.

Assim é a ALeART,
Academia essência
Em fazer cultura com paixão.

(Acadêmico Rodrigo Octavio Pereira de Andrade)

INSCRIÇÕES abertas para a exposição virtual "Artistas em Foco 2011"

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Mais informações:



http://www.ngarteprodutoracultural.com.br/galeria/galeria_inscricoes.html


Regulamento em anexo.

Convite de nossa amiga MARIA CLARICE SARRAF/SP!

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Alô!



Convido a todos para visitarem a exposição Arte e Palavra, que reúne Literatura Brasileira e Artes Visuais.


Será um prazer receber vocês lá!


Abraços a todos!


MClarice

Recado de nosso amigo MAURICIO DUARTE.

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Estou lançando o livro "Os Primitivos" com trecho de uma tradução livre do livro Pantheism and Christianity de John Hunt (1884) e peças de arte visual da Série Os Primitivos, ambos da minha autoria.

Podem visualizar e fazer o download do livro completo pela opção "Ver tripa" da página do livro na bubok.pt:

http://www.bubok.pt/libros/4433/Os-Primitivos


O endereço da internet do livro no Clube de autores:


http://www.clubedeautores.com.br/book/56171--Os_Primitivos


O endereço da internet para leitura on-line do livro Os Primitivos:


http://www.wattpad.com/2070754-os-primitivos



Obrigado. Boa apreciação.




Mauricio Duarte
escritor, artista visual e ilustrador

AGENDA CULTURAL - Divulgação Carlos Ribeiro

Não Percam!!!

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

terça-feira, 27 de setembro de 2011

O anúncio do enredo da Mocidade para o canaval de 2013, sobre o Rock in Rio agitou o mundo do samba e criou uma polêmica instantânea.

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Confira a coluna assinada pelo jornalista Eugênio Leal

O anúncio do enredo da Mocidade sobre o Rock in Rio agitou o mundo do samba e criou uma polêmica instantânea. Milhares de mensagens correm as redes sociais criticando a decisão da escola e taxando o enredo como absurdo. Eu, sinceramente, não entendo porque. Não consigo perceber se o problema é com a homenagem a um outro estilo musical (rock) ou com o fato de ser um enredo patrocinado. Se for o primeiro caso eu nem entro em discussão. É um absurdo criar algum tipo de rivalidade entre estilos musicais num país como o nosso.



Se for o segundo caso acho estranho que não tenha havido tanta gritaria quando foram lançados enredos sobre o cabelo e o iogurte. Talvez o fato de a Mocidade ter uma jovem e imensa torcida tenha dado essa dimensão maior aos protestos. Falar sobre um festival de música (que não mais se restringe ao rock) extremamente popular me parece mais interessante que os inúmeros enredos sobre cidades e estados que já estamos cansados de ver. No mínimo é mais original. E traz consigo uma mensagem de alegria, sucesso e cultura. Sim, música é cultura.


Um enredo sobre o Rock in Rio também permite maior aproximação de um público que ao longo dos anos se afastou do carnaval. É excelente para a visibilidade do evento. Quem de nós não quer que mais pessoas demonstrem interesse pela nossa festa?


Acho que estamos diante de uma grande oportunidade para discutir o papel dos enredos. O que eles realmente são e para que servem? Durante um longo período foram única e exclusivamente históricos. Alguém imagina isso hoje em dia? Temas como “O segundo casamento de D. Pedro” já teriam enterrado os desfiles.


Não faço parte do time dos que acreditam que os enredos precisem ter cunho cultural, histórico ou educativo. Não se pode engessar a festa. O enredo é simplesmente o tema para o desfile. Pode versar sobre vários assuntos desde que propicie uma apresentação interessante. E deve se aproximar mais do gosto médio da população. Não é à toa que Paulo Barros é tão popular. O carnaval é uma festa, não é uma universidade.


Mais importante do que o tema é a maneira como ele é desenvolvido. É isso que faz a diferença. Um assunto aparentemente insosso pode ganhar ares agradabilíssimos se for bem mostrado através das diversas formas que uma escola de samba dispõe hoje para representá-lo. Criatividade, leitura, bom gosto e capacidade de comunicação são itens fundamentais na apresentação de qualquer tema.


Acredito que alguns assuntos muito aceitos no mundo do samba já estejam esgotados. Homenagens repetidas a grandes personalidades, carnaval, cultura afro-brasileira e as histórias da corte já passaram inúmeras vezes na avenida. Algumas brilhantes, outras péssimas. Porque não abrir o leque para outro tipo de abordagem? O festival “Rock in Rio” faz parte da vida e da memória de muita gente. É preciso entender isso.


O carnaval só se mantém vivo durante tantos anos porque tem conseguido lidar com as diferentes manifestações culturais que lhe são paralelas. Vamos ficar cada vez mais fechados em torno do nosso umbigo ou vamos aprender a lidar com as diferenças?


O maior desafio cabe ao carnavalesco Alexandre Louzada: fazer da história do festival um desfile bonito, criativo e emocionante. Acredite, é possível. Basta ter bom senso, bom gosto e talento. E ele tem.


Carta aberta do Carnavalesco Alexandre Louzada ao Jornalista Eugênio Leal

Eugênio,



Por meio desta, venho respeitosamente agradecer as suas palavras em defesa da proposta de enredo da Mocidade Independente para o carnaval 2013.

Confesso me faltar argumentos para ressaltar a importância, e o quanto é relevante a sua percepção sobre os caminhos a serem tomados para o crescimento e renovação dos desfiles das escolas de samba.

Nunca, em toda a minha história como carnavalesco alguém demonstrou tanta compreensão sobre o que entremeia a intenção de um enredo proposto. Quero agradecer por esta interpretação, pois o meu objetivo é abrir uma porta para o samba, ampliar seus horizontes e reforçar esta integração através da linguagem universal, a música.



Alexandre Louzada


Carnavalesco do GRES Mocidade Independente de Padre Miguel

Grande estilo o aniversário de 5 anos da ALeART (Academia de Letras e Artes da Região dos Lagos) no sábado (17/09) no Teatro Municipal de Cabo Frio.

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR






O evento foi regado a muita música e apresentações culturais, além da distribuição da Medalha Professora Lair Gago que foi oferecida a personalidades e artistas da nossa Região dos Lagos, entre eles, Dr Taylor Jr., Silas Bento e nosso fundador Álex Garcia e também a posse de novos Acadêmicos, entre outros, o  amigo e colaborador do Blog Cartão Vermelho, Marco Color (PRB). Outro destaque especial da noite foi o maravilhoso coquetel servido ao final do cerimonial.

Como o evento foi fechado para membros da ALeART, imprensa e os homenageados da noite, o Programa Cartão Vermelho na quarta-feira (21/09), ao vivo às 14h, na Lagos TV (Canal 07 de Cabo Frio) mostrou a cobertura completa do evento, para que toda a população de Cabo Frio tivesse a oportunidade de compartilhar desse maravilhoso evento.


segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Mais uma vez a Antologia Essências e a Academia de Letras e Artes da Região dos Lagos - ALeART - Recebem "MOÇÃO DE APLAUSOS", agora em ARARUAMA!!!

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
No dia 23 de setembro de 2011, na Câmara Municipal de Araruama a Academia de Letras e Artes da Região dos Lagos, ALeART recebeu a "Moção de Aplausos" pelo lançamento do Livro ESSÊNCIAS - ANTOLOGIA  LITERÁRIA DA REGIÃO DOS LAGOS, organizada por Cássia Fouraux , Carlos Ribeiro e Carlos Alberto Fouraux. Nesta ocasião foi homenageados com  Moção de Aplausos, os Acadêmicos com mais de 30 anos de Artes Plásticas e Acadêmicos que tomaram posse na Academia em junho de 2011, em Araruama. Esta Moção foi de autoria da Presidente da Câmara Vereadora Marizete Ramos de Andrade, aprovada em Sessão Ordinária, realizada em 30/08/2011.

Foi importante a presença de todos que estiveram no evento, em apoio aqueles que foram homenageados. Como tem sido uma constante em nossa Academia a união é maior que a vaidade...após o evento foi oferecido um coquetel...

RECEBER É BELO! AGRADECER É LINDO!

Gosto deste pequeno slogan. Sempre que a Antologia for reconhecida e aplaudida, os méritos são de todos e deixo aqui meus agradecimentos à todos que participaram deste projeto literário e que o sucesso se deu devido  o espírito de coletividade da ALeART. PARABÉNS!!!

A MOSCA AZUL - CULTURA FORJADA

Parabéns ZEL HUMOR pela matéria no seu blog, vc é Nota 10.

Confira a matéria toda no blog: http://zelhumortotal.blogspot.com/

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Zel Humor


A MOSCA AZUL - CULTURA FORJADA

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

Cai na Real Artistas Plásticos - Tem Mercenários da Cultura em ação!!!!

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR
Divani Ferreira Pavesi



GALERIE EVERART

8,Rue d’Argenson – 75008 - PARIS




Exposiçao: Do dia 05 ao dia 17 de Dezembro de 2011

Vernissage: 07 de Dezembro de 2011 às 20 horas

Custo: 4.300 REAIS pagos em até três parcelas

Data limite da reserva: 30 de Setembro de 2011.



AGENDA CULTURAL - Divulgação Carlos Ribeiro


NÃO PERCAM!!!

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

*CLIQUE EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

sábado, 24 de setembro de 2011

O Rock in Rio é o maior festival de música e entretenimento do mundo - 2011

Rock in Rio: Conheça a história do maior festival de música do Mundo
São mais de 25 anos de história, sonhos e realizações desde que os primeiros acordes musicais foram tocados em uma edição do Rock in Rio. Nem sempre os fatos se desenvolveram da maneira que todos gostariam, mas em um país culturalmente diversificado como o Brasil é impraticável a realização de um evento que seja integralmente dedicado a um estilo musical seja ele qual for.

Chegou a hora de o público brasileiro receber novamente uma edição do Rock in Rio. Para comemorar este acontecimento, o Cifra Club News selecionou alguns dos trechos mais importantes da história das três edições brasileiras do evento. Alguns acontecimentos mudaram o rumo da carreira de alguns artistas, outros serviram para mostrar qual caminho não seguir quando o assunto é o show bussines.

Divirta-se com esta viagem no tempo e entenda como foi que este importante capítulo da história da música começou!

KISS EM 1983

Sonho de liberdade, 'todos numa direção, uma só voz, uma canção'

Até o começo da década de 80, era baixo o índice de artistas de renome internacional que deram os 'ares de suas graças' em solos brasileiros. Culpa da economia, dos militares e também dos produtores, que não tinham ousadia suficiente para apostar em grandes shows.

No já distante 1981, o Queen veio ao Brasil e provou que o rock tinha imensa popularidade entre os brasileiros. Com duas apresentações em estádios lotados, os ingleses proporcionaram ao público um verdadeiro espetáculo de rock. Dois anos depois, as bandas KISS e Van Halen se renderam ao amor incondicional dos roqueiros brasileiros e fizeram apresentações memoráveis. A banda do guitarrista Eddie Van Halen saiu do país alegando ter parte do equipemamento roubada e desde então nunca mais arriscou voltar em terras tupiniquins. Já o KISS levou na bagagem o seu recorde de público: 250 mil pessoas compareceram no estádio do Maracanã e fizeram a festa com Paul Stanley e companhia


O Festival de 1985 convidou o Brasil a comemora a Liberdade

Em 1985, a sociedade brasileira vivenciou o ápice da transição da ditadura para a democracia. Partindo desta condição, o empresário Roberto Medina teve a idéia de comemorar a liberdade organizando um festival de rock de primeira categoria; surgia então o sonho do Rock in Rio. Porém, desconfiança era o que os empresários das grandes estrelas mais tinham com relação ao Brasil. A equipe de Medina trabalhou de forma incessante até conseguir acertar a vinda de um nome de peso: Rod Stewart. Após o aval do roqueiro de voz rouca e cabelos esvoaçados, as coisas começaram a fluir e nomes como Ozzy Osbourne, Scorpions, Iron Maiden, George Benson, Yes, entre outros decidiram apostar no festival e garantiram suas presenças.





Foi construída, em um terreno na Barra da Tijuca, na capital do Rio de Janeiro, uma cidade de 250 mil m2. Entre os dias 10 e 21 de janeiro de 1985, aconteceu a primeira edição do Rock in Rio, o evento que sem dúvidas colocou o Brasil na rota das grandes turnês internacionais.


Em 1985, O Rock in Rio recebeu um multidão de 1,380 milhão

Curiosidades a respeito do Rock in Rio I

A primeira edição do Rock in Rio recebeu um público de 1,380 milhão de pessoas. Foram consumidos 1,6 milhão de litros de bebidas em 4 milhões de copos; 900 mil Sanduíches; 7.500 quilos de massa e 500 mil Fatias de pizza.



Em 1984, a banda Man at Work chegou a receber parte do cachê para tocar no Rock in Rio I. Porém, a turma liderada por Colin Hay encerrou suas atividades antes de janeiro de 1985. O grupo de new wave Gogo's foi a atração convocada para substituir os australianos.





O grupo The Pretenders recusou um convite para participar do festival porque a vocalista Chrissie Hynde estava grávida. Já o casal Baby Consuelo e Pepeu Gomes subiu ao palco esperando o nascimento de seu filho Kriptus.






A banda britânica Def Leppard era uma das atrações mais aguardadas pelos roqueiros da época. Mas na noite do ano novo de 1985, o baterista Rick Allen sofreu um acidente de carro e as complicações do desastre o fizeram perder o braço esquerdo. O até então de férias Whitesnake foi chamado para substituir o Leppard e veio ao país com uma formação montada as pressas.

Yes Rock Progressivo em terras brasileiras

O sino usado pelo AC/DC veio de navio para o Brasil, mas ficou escondido nos bastidores. O que o públicou viu atrás da bateria nada mais era do que uma réplica de gesso, pois o original era muito pesado e os cenógrafos decidiram não arriscar na possibilidade de pendurá-lo nas estruturas do palco.

O primeiro Rock in Rio foi o único que recebeu uma atração vinda da escola do rock progressivo: os britânicos do Yes. Com perfomances fantásticas, o grupo e fez valer a pena o tempo que durou a espera dos brasileiros para ver de perto a arquitetura eletro sinfônica do som da banda.

Um panorama sobre os shows

A escalação dos astros internacionais no Rock in Rio I ficou assim definida: AC/DC, All Jarreau, B5'2, George Benson, Go Go's, Iron Maiden, James Taylor, Nina Hagen, Ozzy Osbourne , Queen, Rod Stewart, Scorpions, Whitesnake e Yes. A ala brasileira veio encabeceada por: Alceu Valença, Barão Vermelho, Blitz, Eduardo Dusek, Elba Ramalho, Erasmo Carlos, Gilberto Gil, Ivan Lins, Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens, Lulu Santos, Moraes Moreira, Ney Matogrosso, Os Paralamas do Sucesso, Pepeu Gomes & Baby Consuelo e Rita Lee.

Ficou decidido que cada artista faria duas apresentações no Rock in Rio. Naturalmente que alguns nomes mostraram lições de como se fazer um show e outros vacilaram a ponto de fazerem perfomances pouco inspiradas. A organização falhou ao agendar apresentações em duas segundas-feira, por exemplo. Mas nem por isso, o públicou deixou de celebrar o rock com uma boa parte dos maiores reverendos do gênero.




Rock in Rio é o maior festival de música e entretenimento do mundo. Criado pelo empresário brasileiro Roberto Medina, o evento teve sua primeira edição em janeiro de 1985, no Brasil.
Apresentações magníficas do Queen emocionaram o público


O festival foi todo preparado para receber o Queen como a atração de maior respaldo. Como não poderia deixar de ser, a banda liderada pelo vocalista Freddie Mercury fez apresentações magnificas e mostrou os motivos pelos quais chegou ao evento sob a condição de maior estrela do elenco. A plateia respondia a cada comando do quarteto e cantou em unissono uma boa parte do repertório que o grupo desfilou ao longo das noites.


Klaus Meine o alemão ergeu a bandeira brasileira


As bandas Scorpions e AC/DC deram amostras de carisma e cumplicidade para com o público brasileiro. Klaus Meine, vocalista do Scorpions, chegou a erguer a bandeira do Brasil em uma clara demonstração de respeito e admiração pelo país. O coro das vozes durante a balada "Still Loving You" fez os alemães sairem do palco em estado elevado de emoção. A perfomance singular do guitarrista Angus Young materializou as acrobacias que ele faz no palco - que, até então, só podiam ser imaginadas através de fotos ou assistidas por meio de vídeos extremamente raros, uma vez que não existia o YouTube.



Mesmo machucado Bruce Dickson, não decepcionou


O Iron Maiden veio ao Rock in Rio e marcou definitivamente seu território no coração dos roqueiros brasileiros. O carisma e a entrega de Bruce Dickson e seus demais escudeiros fez da presença do Maiden no festival um acontecimento que mudou a concepção de como uma banda deve se comportar no palco. Dickson fez uma boa parte do show com um ferimento na cabeça, resultado de um movimento abrupto com o microfone e assim, literalmente, deu o seu sangue para satisfazer os fãs.








Grupos como Barão Vermelho e Os Paralamas do Sucesso lavaram a alma da música brasielira no palco do Rock in Rio. Com Cazuza cheio de saúde e no momento mais voráz de sua parceria com Frejat, o Barão conquistou o respeito dos 'camisas pretas' que foram ao evento somente para reverenciar os heróis do rock pesado. Os Paralamas conseguiram colocar a turma para dançar e a plateia ainda ouviu sem revidar o sermão evangelizado por Herbert Vianna em defesa de outros artistas nacionais que amargaram a reprovação do público.



Cazuza no Rock in Rio de 1985


Rock in Rio motivou James Taylor a dar a volta por cima

O cantor James Taylor é outro nome que deixou boas lembranças com suas apresentações. Taylor chegou ao evento desacreditado, vivendo momentos de turbulências em sua carreira e em sua vida pessoal. O que ele não sabia é que possuía uma popularidade incomensurável no Brasil. Fez shows sensacionais e em uma das noites se apresentou diante de 250 mil pessoas, que em uma só voz cantaram músicas como "You've Got a Friend", "Caroline in My Mind" e "Fire and Rain". O músico americano saiu do Rock in Rio com um disco ao vivo gravado e com a certeza de que poderia colocar a carreira nos trilhos novamente.


A Blitz era de longe a banda de rock nacional que desfrutava de maior popularidade naquele janeiro de 85. Evandro Mesquita e sua trupe fizeram aparesentações que contagiaram o evento com a alegria que se espera de um show de rock. Em contra partida, o grupo Kid Abelha e o cantor Eduardo Dusek foram duramente criticados pela plateia; que não soube assimilar a presença deles no festival e os recepcionou com vaias. Contragimento maior foi o de Erasmo Carlos e Ney Matogrosso, medalhões da música brasileira, que viram suas reprovações no evento serem ilustradas sob uma chuva de objetos atirados ao palco.






Temporal não impediu Rod Stewart de animar o  público

Nem mesmo o temporal apocalípitico ocorrido no dia 16 daquele janeiro de 1985 impediu Rod Stewart de festejar com o público. Com destreza de Ayrton Senna e carisma de Martin Luther King, Rod pilotou o espectadores e mostrou a segurança de um artista que se sente totalmente confortável ao se apresentar para plateias superiores a 100 mil pessoas. Quanto a Ozzy Osbourne, este não vivia um bom momento em sua carreira e estava visivelmente fora de forma. Eram os tempos de maiores loucuras e Ozzy não fazia questão de enconomizar nas bebedeiras e usos de drogas. O resultado foram shows medianos, mas que poderiam ter sido os mais surreais da carreira do madman.


Com a mágica do voo colorido do Yes, a primeira edição do Rock in Rio chegou ao fim. As 200 mil pessoas que foram até a Cidade do Rock naquele 21 de Janeiro de 1985 saíram de lá com a certeza de que, apesar dos pesares, o país estava preparado para receber eventos de grande porte. Ficou no ar a interrogação a respeito de quando é que grandes astros do rock iriam se reunir novamente em um mesmo festival feito em terras brasileiras...


A realização de um novo sonho


A segunda edição do festival aconteceu no Maracanã

Em razão do sucesso da primeira edição, o Rock in Rio deixou um gosto de espera. Mas é um engano acreditar que os roqueiros brasileiros teriam de esperar a pela segunda realização do evento para conferirem a performance de astros internacionais do rock. Em 1988 e em 1990, apesar das adversidades econômicas, o Brasil recebeu o festival Hollywood Rock. Bandas como Bon Jovi, Supertramp e Bob Dylan passaram pelo país e fizeram grandes celebrações musicais.


Apesar do Hollywood Rock e de outras turnês que passaram por terras brasileiras, o Rock in Rio ainda tinha um lugar especial no coração das pessoas. Em 1991, o Rock in Rio II chegou com direito a casa nova. O estádio do Maracanã foi escolhido para ser o templo dos roqueiros que amargaram seis anos agaurdando para juntos estarem 'todos numa direção, uma só voz, uma canção'. O gramado do estádio foi todo preparado para receber o público, que naturalmente também pode ocupar as cadeiras e arquibancadas. Entre os dias 18 e 27 de janeiro daquele ano, o maior estádio do mundo tremeu diante do desfile de astros da música que fizeram valer a pena tanta espera.



Curiosidades a respeito do Rock in Rio II

A segunda edição do Rock in Rio recebeu um público de 700 mil pessoas, sendo que 198 mil compareceram no dia 26 para assistirem aos noruegueses do A-ha.


O palco tinha 85m de frente por 25m de profundidade, e era rodeado por duas telas de 9m de altura por 7m de comprimento. A iluminação contou com aproximadamente 500 faróis de avião.


Uma enquetes da Rede Globo elegeu o show dos Engenheiros do Hawaii como um dos menos empolgantes da segunda edição do Rock in Rio. Porém, o jornal norte-americano The New York Times afirmou que o trio liderado por Humberto Gessiger fez um show de qualidade comparável aos dos astros internacionais.


Billy Idol cobriu a ausência de Robert Plant

A segunda edição do Rock in Rio recebeu um público de 700 mil pessoas, sendo que 198 mil compareceram no dia 26 para assistirem aos noruegueses do A-ha.


Uma enquetes da Rede Globo elegeu o show dos Engenheiros do Hawaii como um dos menos empolgantes da segunda edição do Rock in Rio. Porém, o jornal norte-americano The New York Times afirmou que o trio liderado por Humberto Gessiger fez um show de qualidade comparável aos dos astros internacionais.O cantor Billy Idol a princípio iria tocar somente no dia 19. Porém, foi convocado as pressas para se apresentar no dia 20 porque o roqueiro Robert Plant cancelou, na véspera, o seu show. Plant desitiu de participar do evento por causa da "Guerra do Golfo".
Parte do disco "Live Baby Live", do INXS, foi gravada durante o show da banda no Rock in Rio II. O trabalho foi lançado em novembro de 1991.

A banda Barão Vermelho recusou a tocar após serem informados de que não seria permitido a eles fazer a tradicional passagem de som e regular os equipamentos antes do show.



O Rock in Rio II foi palco do último show da turnê da dupla Moraes Moreira & Pepeu Gomes. Na apresentação foi tocada uma música chamada "Paz em Bagdá", feita nas vésperas da apresentação e até hoje permanece sem registro em disco.
Axl Rose e Slash levaram o público ao delírio

 Guns n' Roses estreou o baterista Matt Sorum e Dizzy Reed durante o evento. Axl Rose e seus asseclas mostraram ao público brasileiro em primeira mão diversas músicas que seriam lançadas no álbum "Use Your Illusion".


Um panorama sobre os shows


A segunda edição do festival mostrou-se mais heterogênea em relação a primeira. Artistas consagrados da música ao pop foram convocados para animarem a festa ao lado de pesos pesados do rock. A escalação internacional ficou assim definida:




A-HA, Billy Idol, Colin Hay, Debbie Gibson, Dee-Lite, Faith No More, George Michael, Guns N' Roses, Happy Monday, Information Society, INXS, Joe Cocker, Judas Priest, Lisa Stansfield, Megadeth, New Kids on the Block, Prince, Queensryche, RUN DMC, Santana e SNAP. Já os artistas brasileiros que tocaram foram: Alceu Valença, Capital Inicial, Ed Motta, Elba Ramalho, Engenheiros do Hawaii, Gal Costa, Gilberto Gil, Hanói Hanói, Inimigos do Rei, Laura Finokiaro, Leo Jaime, Lobão, Moraes & Pepeu, Nenhum de Nós, Orquestra Sinfônica, Paulo Ricardo, Roupa Nova, Sepultura, Serguei, Supla, Titãs, Vid e Sangue Azul.



Por questões de cachê ou intenção de prestigiar a música nacional, a organização convidou mais nomes brasileiros, que em muitas das vezes não decepcionaram, para fazerem shows no Rock in Rio II. Desta vez, a minoria dos artistas fizeram duas apresentações. Este critério foi válido somente para Prince, Carlos Santana, Billy Idol George Michael e aquela que era a banda mais aguardada para o evento: Guns n' Roses.


Em 1991, o Guns n' Roses era a maior banda de rock do planeta. Por mais que vários outros grupos gravassem discos maravilhosos e fizessem turnês memoráveis, a popularidade daquele bando de encrenqueiros liderado por Axl Rose fazia do Guns a grande potência do cenário roqueiro. Com dois shows apoteóticos, a banda levou o público ao delírio. Em noites totalmente inspiradas, Axl e seus companheiros esbanjaram carisma, talento e segurança. O baixista Duff McCakgan revelou, anos mais tarde, que até tocar no evento, não sabia que fazia parte de uma das bandas mais amadas pelos roqueiros brasileiros em todos os tempos.




A Banda Inimigos do Rei teve participação discreta no Festival

Um desacreditado Paulo Ricardo usou de sua inteligência ao disparar no público o seu 'Olhar 43' e também uma boa parte do repertório de sua primeira banda, que um dia já foi a maior do rock nacional, o RPM. A plateia cantou junto a maioria das canções e fez o roqueiro sair do festiaval de alma lavada. A mesma sorte não tiveram os remanscentes dos anos 80 Inimigos do Rei, Vid e Sangue Azul e Hanói Hanói, que, com perfomances discretas, praticamente fizeram apenas figuração no evento. Já o folclórico Serguei conquistou a simpatia dos presentes com uma lendária execução de Satisfaction, clássico dos Rolling Stones.






O Queensryche chegou ao evento com uma popularidade pequena. Mas fizeram um concerto tão honesto que o público se rendeu a performance da banda ao vivo. Após o Rock in Rio II, a banda conquistou fãs brasileiros e posteriormente voltou ao país para diversos outros shows. Na mesma noite, o Judas Priest fez uma apresentação maravilhosa ao desfilar clássicos de seu heavy metal genuinamente britânico. Na ocasião, o grupo liderado por Rob Halford divulgava o disco "Painkiller". A plateia sentiu que cada centavo pago pelo ingresso valeu a pena ao ver Halfford aparecer no palco a bordo de uma motocicleta.



As feições nórdicas dos músicos que formavam a banda A-ha foram responsáveis por forte presença feminina no evento. O vocalista Morten Harket chegou ao festival com o status de galã e não se fez de rogado. Diante dos atentos olhares femininos, Harket cantou como nunca e emocionou a plateia ao entoar canções como "Take on Me", "Hunting High and Low" e "Touch". O quinteto New Kids on The Block, apesar de imensamente popular, fez um show um tanto quanto morno. Os até então garotos deixaram a sensação de que eram mais forma do que conteúdo.

Lobão encarou uma enfurecida multidão Metaleira

O grande constrangimento do evento aconteceu com o cantor Lobão, que tocou em uma noite dedicada ao heavy metal. O músico teve a infelicidade de encarar uma plateia que estava aborrecida por ter visto o Sepultura se apreentar somente por 30 minutos. Diante da situação, o público não fez a menor questão de ser solidário ao pop rock de Lobão e rebateu com uma chuva de vaias todas as vezes que o artista tentou cantar. Inevitavelmente, após trocar farpas com parte dos expectadores, Lobão recolheu seus apetrechos e se retirou do palco.

No dia 27 de janeiro, George Michael encerrou a segunda edição do Rock in Rio. O pop maduro do cantor emocionou os brasileiros, que mais uma vez, apesar dos pesares, saiu do local do evento com a sensação de alegria. Como não poderia deixar de ser, a dúvida sobre quando seria a terceira edição do maior festival de música do mundo pairava no ar...

A volta do filho pródigo



A década de 90 passou, o milênio virou e em uma nova era o público brasileiro foi contemplado com o Rock in Rio III. A terceira temporada do evento voltou para a casa, isto é, foi realizada no mesmo local da edição de estreia, um terreno em Jacarepaguá, na capital do Rio de Janeiro. Porém, desta vez, a "Cidade do Rock" foi preparada para receber 250 mil pessoas por dia. O festival decidiu abraçar causas sociais e levantou a bandeira "Por Um Mundo Melhor", que direcionou foco para projetos socioambientais e educação.


Apesar do imenso intervalo entre a segunda e a terceira edição do Rock in Rio, o público brasileiro já não era mais tão carente. Grandes festivais e grandes turnês passaram pelo país, levando os apreciadores da música em geral ao delírio. Entre 1994 e 1998, o festival inglês Monsters of Rock teve quatro edições brasileiras. Bandas do calibre de Alice Cooper, Dream Theater e Slayer aterrisaram em solos nacionais e deram verdadeias aulas de como se faz um concerto de rock. O já conhecido Hollywood Rock deu o ar de sua graça por cinco anos consecutivos, entre 1992 e 1996. Em uma destas edições, após anos de espera, finalmente os Rolling Stones tocaram para o público brasileiro. Ainda como atrações do Hollywood Rock, passaram por aqui bandas como Nirvana, Smashing Pumpkins, Aerosmith e a dupla Jimmy Page & Robert Plant, que foi o mais perto que os roqueiros tupiniquins puderam chegar do Led Zeppelin. Porém, como tudo acaba, estes eventos foram extintos e restou ao público brasileiro voltar a sonhar com o Rock in Rio.




Entre os dias 12 e 21 de janeiro, o espírito de 'todos numa direção, uma só voz, uma canção' voltou à vida, e aconteceu a terceira edição do Rock in Rio. Foi nessa terceira temporada que surgiram também outros espaços além do palco principal, voltados a apresentações segmentadas por estilos, como música eletrônica e música africana. A tenda Brasil foi uma estratégia da organização para prestigiar artistas de menor fama quando comparados ao nomes que recheavam o elenco estelar.


Curiosidades a respeito do Rock in Rio III


A terceria edição do Rock in Rio recebeu um público total 1,235 milhão de pessoas. Foram consumidos 600 mil litros de cerveja, 630 mil sanduíches e 435 mil refrigerantes.

Dave Grohi comemorou seu aniversário no palco

O ator Márcio Gárcia, que comentava o evento pela rede Globo, cometeu uma tremenda gafe durante seus comentários. Garcia se confundiu ao pronunciar o nome do baterista do Iron Maiden, Nicko McBrain. O ator acabou chamando o músico pelo nome de Nicko 'M.C. Brain', como se o roqueiro fosse um rapper.


Inicialmente, o Foo Fighters não estava na lista de artistas preferidos da produção do evento. Porém, a equipe de Roberto Medina mudou de ideia ao perceber que a banda de Dave Grohl liderava uma enquete sobre "atrações favoritas" feita no site do festival. Grohl comemorou seu aniversário no dia da apresentação e ganhou um bolo trazido ao palco por sua então esposa, Melissa Auf der Maur (ex-Hole) e um beijo de Cássia Eller.




Fê lemos, baterista do Capital Inicial, fez o show com a mão ferida. Ao descer da van que transposrtava o grupo, ele se machucou com a porta do veículo. Mas nem por isso a banda decepcionou e foi a única atração nacional que teve direito de fazer "bis".


A banda Papa Roach participou do eveneto graças a uma sugestão, com cheiro de imposição, de Axl Rose, líder do Guns n' Roses. A pouca popularidade deles entre os roqueiros brasileiros fizeram com que o show fosse praticamente despercebido.


O Barão Vermelho decidiu dar uma pausa após o show do Rock in Rio. A banda só retomou suas atividades em 2004, mas parou novamente três anos depois e planeja uma volta para 2012.


O músico Nick Oliveri, então baixista da banda Queens of the Stone Age, quase foi preso por tocar sem roupa. Após o incidente, ele declarou que via imagens do carnaval brasileiro e imaginava que o povo não se importava tanto com nudez em público.

O Rappa organizou um boiocte ao Festival

As bandas Raimundos, Skank, Jota Quest, O Rappa, Charlie Brown Jr. e Cidade Negra decidiram não participar do festival. Este boicote foi organizado pelo O Rappa, sob a alegação de que a organização não cumpriu o combinado em relação ao horário de sua apresentação. Em solidariedade aos cariocas, os outros grupos decidiram abandonar o evento.


O grupo Oficina G3 tocou na Tenda Brasil, um dos espaços alternativos de shows, e assim tornou-se o único nome da música gospel a participar do Rock in Rio.


Um panorama sobre os shows


Após um hiato de 10 anos, o Rock in Rio voltou arrojado e com um posicionamento mais tecnocrata. Prova disso foi a medida da organização em elevar o grau de diversificação de estilos, já existente no Rock in Rio II, ao elaborar a escalação do evento. Naturalmente que a existência de um elenco heterogêneo tende a atrair mais tribos e consequentemente a arrecadação tende a ser maior. Artistas da música pop, heavy metal, pop rock, axé, samba e rock clássico brindaram, cada um à sua maneira, o público brasieliro com suas performances.

Cássia Heller uma das atrações do Rock in Rio III

Desta vez, ninguém fez duas apresentações e a escalação dos astros internacionais no Rock in Rio III ficou assim definida: Aaron Carter, Beck, Britney Spears, Dave Mathews Band, Deftones, Five, Foo Fighters, Guns N? Roses, Iron Maiden, James Taylor, Neil Young, N'Sync, Oasis, Papa Roach, Queens of The Stone Age, Red Hot Chili Peppers, R.E.M., Rob Halford, Sting, Sheryl Crow e Silverchair. O time de astros nacionais veio formado por: Barão Vermelho, Capital Inicial, Carlinhos Brown, Cássia Eller, Daniela Mercury, Elba Ramalho, Engenheiros do Hawaii, Fernanda Abreu, Funk 'N Lata, Gilberto Gil, Ira!, Ultraje a Rigor, Kid Abelha, Milton Nascimento, Moraes Moreira, O Surto, Pato Fu, Pavilhão 9, Sandy & Junior, Sepultura e Zé Ramalho.


O veterano Neil Young ministrou uma espécie de comoção coletiva com seu rock direto, simples e sem muitos adereços. A despretensão de Neil era tão notável que ele parecia vestir a mesma camisa que usa ao varrer a sua garagem ao subir no palco com sua Gibson para em seguida disparar acordes arrebatadores. Escudado pela lendária banda Crazy Horse, o roqueiro canadense desfilou canções clássicas como "Hey Hey, My My " e "Keep on Rockin' in the Free World". A banda R.E.M. também estava em com níveis máximos de inspiração no momento em que se apresentou no Rock in Rio. Michael Stipe e sua turma fizeram um espetáculo e apresentou todas as canções que o público tinha a intenção de ouvir. Em unisssono, os presentes entoaram a clássica "Loosing My Religion", momento este que arrancou arrepios até no mais gélido dos seres humanos.


Público atirou objetos em Carlinhos Brown no palco

Uma banda que conseguiu roubar a cena foi o Pato Fu. Os mineiros estava selecionados para tocar na mesma noite que artistas pop, mas pediram para tocar em uma das noites de rock. Os mais céticos chegaram a acreditar que o grupo de Fernanda Takai seria vaiado, pois iria tocar justamente na noite que tinha o Guns N' Roses como atração principal. Porém, o público presente se divertiu, aplaudiu e respeitou a banda. Quem não teve a mesma sorte nesta noite foi o cantor Carlinhos Brown. O baiano, especializado em axé music, foi duramente hostilizado pelo público presente, que atirou objetos ao palco toda vez que uma música começava a ser tocada. A presença de Carlinhos naquele momento do evento fez valer a máxima de que estava 'no lugar errado e na hora errada'.


Confirmando a fidelidade dos fãs, sobretudo os brasileiros, o Iron Maiden fez um show apoteótico. Os integrantes da banda consideraram a apresentação uma das mais intensas de toda a carreira. Em 2002 chegou ás lojas "Rock in Rio", o registro em CD e DVD do show do Maiden no festival. Diante de 250 mil pessoas, os britânicos encerraram com chave de ouro a turnê de "Brave New World". Foi a primeira vez que eles vieram ao país com os guitarristas Adrian Smith, Dave Murray e Janick Gers. No palco se viu a experiência de uma banda que sabe ir exatamente onde os fãs desejam.



Dentre as atrações do evento, os irmãos Sandy e Junior foram sem dúvidas um dos nomes mais contestados. Porém, os filhos do sertanejo Xororó levaram ao palco do evento todos os aparatos que costumavam a usar em seus shows. Bailarinos, trocas de roupa, efeitos especiais que simulavam as quatro estações do ano e todo o repertório de sucessos da dupla. Consequentemente fizeram um ótimo show e agradou a plateia que feliz da vida cantou várias canções junto com a dupla.

Apresentação de Britney Spears gerou controvérsias

A cantora Britney Spears chegou ao Rock in Rio com o gabarito de artista pop mais famoso do evento, mas a perfomance dela naquela noite está longe de ser uma das mais brilhantes de sua carreira. A artista foi vaiada ao mostrar a bandeira dos Estados Unidos, procedimento este que era habitual durante a turnê. Outra polêmica envolvendo a apresentação de Britney são as suspeitas de que ela não cantava realmente durante os seus shows. Posteriormente foi esclarecido que a estrela usou o recurso da "base pré-gravada", no qual uma gravação com a voz dela cantando as músicas é transmitida enquanto ela canta ao vivo por cima dessa gravação. A justificativa dada para esse procedimento é o grande número de coreografia que seu espetáculo possui, tornando o show totalmente ao vivo impossível.


Foi no palco do Rock in Rio III que o Guns n' Roses fez o seu primeiro grande show desde 1993. O vocalista Axl Rose e o tecladista Dizzy Reed eram os remanscentes daquela época. A organização trouxe a banda ao evento como demonstração de confiança no apelo popular que Axl sempre teve entre os fãs brasileiros. Mas o que se viu no palco foi uma banda totalmente desentrosada e literalmente fora de forma. Rose apareceu em cena com alguns quilos a mais e com a voz um pouco aquém do que era. Com direitos aos tradicionais atrasos e lamúrias, o Guns fez um show que apesar de ter a maioria dos hits deles serviu apenas para matar um pouco saudosismo dos admiradores da banda. Um dos momentos mais interessantes da noite foi quando o guitarrista Robin Finck deu uma demonstração de simpatia ao falar português e interpretar um cover de "Sossego", de Tim Maia.

Dinho Ouro Preto fez 250 mil pessoas cantarem com o Capital

O Capital Inicial fez sem dúvida o melhor dos shows nacionais no Rock in Rio III. Na ocasião, o país inteiro se rendeu ao "Acústico MTV" dos brasilienses liderados por Dinho Ouro Preto. Com o reforço de Kiko Zambiachi e do lendário guitarrista Marcelo Sussekind, o Capital fez a plateia dançar, pular e cantar junto durante a performance de canções como "O Mundo", "Natasha" e "Música Urbana". De todos os artistas brasileiros, o grupo foi o único que voltou ao palco para fazer um "bis" e assim atenderam ao chamado da galera. A roqueira Cássia Eller também fez um show memorável. No palco do festival, ela deu vida ao seu lado mais irreverente e mostrou os seios durante um cover de "Come Together", dos Beatles. Além de canções de seu repertório, Cássia fez uma bela homenagem ao Nirvana cantando "Smells Like Teen Spirit".

Performe o Silver Chair impressionou o público

A banda Silverchair fez um show que deixou todos (inclusive a crítica especializada) embasbacados. Aos olhos das garotas roqueiras, o trio liderado por Daniel Johns fazia perfeitamente a conexão 'forma x conteúdo'. Com a sensação de quem 'jogava em casa', os rapazes subiram ao palco e tocaram com personalidade de veteranos. Durante a execução das músicas "Ana's Song" e "Miss in You love", o Rock in Rio III vivenciou um de seus momentos mais emocionantes.


Coube ao Red Hot Chili Peppers a missão de encerrar a terceira edição do Rock in Rio. A banda se apresentou diante de 250 mil testemunhas que estavam sedentos por rock de primeira categoria. Apesar de ter feito o show com a sabedoria de tocar os grandes hits de sua carreira, a performance do RHCP não foi tão empolgante quanto se eseprava. Os músicos pareciam ligeiramente cansados e não repetiram a habitual atuação brilhante. Como não poderia ser diferente, o público saiu do local do evento com incerteza de quando veria novamente astros internacionais da música novamente...



As pessoas sairam da "Cidade do Rock" na noite daquele 21 de janeiro de 2001 com a alma lavada e na esperança de que não iria demorar muito até o próximo Rock in Rio. Porém, os anos subsequentes trouxeram novidades que não agradaram muito os brasileiros. O Rock in Rio ganhou edições em Portugal (2004, 2006, 2008 e 2010) e na Espanha (2008 e 2010). Mas como nem tudo está perdido, o empresário Roberto Medina e sua equipe decidiram trazer o evento para o Brasil novamente.


Entre os dias 23 de setembro e 2 de outubro, acontecerá na nova "Cidade do Rock", construída na Tijuca, a quarta edição brasileira do Rock in Rio. Um cast que abrange todos os gostos, estilos e tribos subirá ao palco com o dever de fazer o público brasileiro ir ao delírio.




Após uma década, vamos 'todos numa direção, uma só voz, uma canção' de de coração aberto e mente sintonizada para testemunhar um dos maiores espetáculos culturais do planeta.




O Rock in Rio 2011 inicia nessa sexta-feira (23). Os três palcos do evento vão dividir mais de três atrações, durante os sete dias do festival de música. O festival, que já está com os ingressos esgotados há mais de um mês, começa hoje e vai até o dia 02 de outubro, no Parque Olímpico Cidade do Rock, na Barra da Tijuca.


O Rock in Rio 2011 se dividiu da seguinte forma: cada dia do evento vai contar com um estilo de música. Desde pop, como Katy Perry e Rihana, o rock, como Red Hot Chilli Peppers e Guns n’Roses e o metal, como Slipknot e Metallica.

Além dos astros internacionais, o evento contará também com a participação de diversos artistas brasileiros. Entre eles: Ivete Sangal, Marcelo D2, Skank, Pitty, Claudia Leitte, NX Zero e Jota Quest. A organização do Rock in Rio espera a participação de aproximadamente 100 mil pessoas por dia.