BLOG CARLOS RIBEIRO

BLOG CARLOS RIBEIRO

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Falando de Futebol




Feio, mas eficiente

Impossível não reconhecer méritos na conquista invicta do Corinthians na Libertadores. Mas que os jogos do time de Tite são duros de ver, são! É marcação, marcação e marcação. Paulinho (um senhor volante) e o "Sheik" ainda briham um pouco. O resto é soldado. Raso.


Nove, pra que?


A arrasadora vitória da Espanha, na final da Eurocopa, e o triunfo do Corinthians, na Libertadores, devem ter deixado a classe dos centroavantes com a pulga atrás da orelha. Nem a Fúria nem o Timão usaram, na maior parte das campanhas, um atacante de referência, aquele estilo "poste", plantado dentro da área. E quando apelaram para ele seus times renderam menos.
Por isso mesmo, na maioria de seus jogos, "La Roja" andou deixando "El Niño" Fernando Torres como opção de banco, enquanto no Coringão Liedson chegou a virar suplente da equipe reserva. Detalhe: nem em sonhos dá pra comparar o
esquema tático de Vicente del Bosque (na verdade, de Pep Guardiola, vindo do Barcelona) com o deTite. O que só torna ainda mais preocupante a situação do chamado "homem de referência". Ou seja, tanto num conglomerado de virtuosos, como é a Espanha, quanto numa equipe tecnicamente limitada (mas espetacularmente aplicada), como o Corinthians, é possível jogar e vencer apenas com atacantes "de lado de campo",
que se movimentam o tempo inteiro. Não custa lembrar que, já em 1970, na fantástica seleção brasileira que conquistou o tri, Tostão (na verdade, um brilhante camisa 10) atuou improvisado com a camisa nove. Em tempo: nada contra os bons centroavantes. Desde que sejam bons de verdade — e não "cones" que se limitam a empurrar pra rede (ou pra fora) as
bolas que lhes chegam aos pés.


A história do Emerson no Flamengo

Em troca de e-mails com rubro-negros (tornada pública em lista de discussão na internet), o ex-dirigente do Flamengo, José Carlos Dias, relembra todos os detalhes da negociação que acabaram fazendo com que Emerson, o "Sheik", novo herói do Corinthians, não voltasse para a Gávea, como era seu desejo. Vale a pena lembrar a história, através das palavras de Dias:

"Vamos ao detalhes :

O atleta tinha uma proposta de R$ 300 mil, mês (...) do Fluminense;

Fizemos uma proposta de R$ 210 mil, mês, e ele aceitou porque queria jogar muito no clube pelo qual era apaixonado;

O Fluminense aceitava pagar 1 milhão de dólares ao clube que tinha vinculo com o atleta;

O Flamengo somente aceitava pagar 500 mil dólares, embora tivesse recebido anteriormente mais que o dobro disto, quando o atleta recebeu proposta milionária e acabou se transferindo;

O Flamengo chegou a propor que o atleta pagasse a diferença do próprio bolso e ele ficou de pensar;

No dia seguinte ele me retornou a ligação, dizendo que já estava abrindo mão de quase R$ 3 milhões (R$ 90 mil, mês) e que não achava correto e justo o Flamengo ter recebido um valor ainda maior que este e depois não querer pagar parte deste valor para ter a ele de volta como atleta. Ouvindo isto, acabei por concordar com ele, pedi desculpas e disse que de fato a proposta do Flamengo não era coerente.

Como já havia acontecido este tipo de postura dos dirigentes em negociações como as do Pet, Diego Forlan, Felipe e Zico, fui para a Copa do Mundo, conforme programado, e no meu retorno , depois de ver tudo o que tinham feito com o nosso ídolo Zico, resolvi me afastar definitivamente do clube.

Como um clube gasta R$ 144 milhões por ano com folha de pagamento tem coragem de dizer que não tem 500 mil dólares para contratar o Emerson? Quero distância desta turma e também desta cambada de puxa-sacos ( ou beneficiados e aproveitadores).

E a torcida sofrendo e sendo humilhada .......

Espero que não venham responder este e-mail com gracinhas , pois se acontecer o troco será bastante pesado! Chega de mentiras !!!!!!!!!!!!" 


Vã Ilusão

Quando vi a lista de Mano para as Olimpiadas de Londres, confesso, me enchi de esperanças. Afinal, notei a presença de apenas dois volantes: Rômulo, ex-Vasco, e Sandro, ex-Inter.
Estaria o nosso técnico disposto a jogar com apenas um homem na contenção (e o outro seria o reserva)? Teriam os ares de Kiev (e a visão onírica da Espanha) arejado os seus planos táticos?
Vã ilusão. Danilo, ex-lateral do Santos, na verdade, está convocado com dupla função. Ou seja, se um dos cabeças-de-área titulares se machucar, ele ocupará a função.  E o tolinho aqui já sonhando com Ganso e Oscar, juntos, alimentando um ataque formado por Lucas, Neymar e Pato (ou Damião)... Menos mal que Rômulo e Sandro não são exatamentes brucutus e também saber dar um passe e, vez por outra, chegar no ataque.

0 comentários:

Postar um comentário