BLOG CARLOS RIBEIRO

BLOG CARLOS RIBEIRO

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Crítica: 'Ginga, Mocidade!' - Passistas independentes e o legado dançante de Padre Miguel
Fonte: Hélio Ricardo Rainho - http://www.sidneyrezende.com/

Foto: JM  Arruda
Para uma certa mocidade, não basta ter estrela: é preciso ser independente! A afirmação do povo da zona oeste está na voz e no samba da Mocidade Independente de Padre Miguel, a expressiva escola de samba que levou para novos horizontes a cultura de um lugar distante. Ciente da necessidade de reafirmar a potência artístico-cultural dessa região, o diretor de passistas e coreógrafo George Louzada usou, "ousou e abusou" do talento de seus passistas para apresentar o musical "Ginga, Mocidade", concebido para a grande final de samba-enredo da escola.
Foto: JM  Arruda
No repertório coreográfico, dança afro, performance e um autêntico show de samba malandreado de uma ala cujos passistas masculinos têm orgulho de afirmar-se nessa simbologia com sua dança. A Mocidade tem, em suas fileiras, alguns dos mais expressivos militantes da chamada "malandragem do samba" - vertente que funde o samba dos passistas ao estilo romantizado dos antigos malandros da Lapa: Luiz Gonzaga, Coimbra Mocidade, Yan Guimarães, Kriollo D'Bará, Emanuel Lima, Anderson Silva, Sidnei Souza, Diego Nolasco, Brener Belisário, Thiago Vilella, Brayan, Thiago Martins e Gabriel Castro.
Foto: JM  Arruda
A apresentação dos passistas independentes não teve vínculo específico com o enredo 2016. Sendo parte integrante de uma enorme sequência de números que compõem o show da harmonia da escola, a ala apresenta-se como uma atração à parte, compondo com vibrante entusiasmo o quadro de apresentações. O espaço na quadra designado para a exibição do segmento deve ser, muito provavelmente, um dos melhores concedidos a passistas para apresentação. Isso lhes permite toda mobilidade e cadência de samba com liberdade de expressão. O diretor George - com auxílio técnico de Danyel Rodrigues - consegue conferir uniformidade a cada divisão apresentada, preenchendo bem os espaços cênicos e criando interessantes variações para as diferentes fileiras que se apresentam.
Foto: JM  Arruda
Logo na abertura, a impactante apresentação com o samba "Canto das Três Raças" enriqueceu a apresentação dos passistas trazendo um balé afro como elemento complementar. O Projeto Passos da Zona Oeste - do diretor geral e idealizador George Louzada, tendo Emanuel Lima como professor - se fez presente na riqueza coreográfica e na apresentação de alunos conscientes e perfeitamente integrados.
Foto: JM  Arruda
Em uma das sequências mais ricas e emblemáticas da apresentação, um naipe de malandros de ouro (vestindo camisas douradas) abandona a formação original em formato frontal e assume uma disposição dos elementos num sentido lateral. É como se todos os malandros se alinhassem em uma faixa diagonal e criassem um movimento simbólico: abandonam a caminhada frontal (que tipifica a marcha) para idealizarem o desenho da caminhada lateral, tipificando a rua, criando a esquina. É uma concepção cênica que sugere a recriação virtual do ambiente sacralizado pelos boêmios autênticos, tão comumente associados até em aspectos religiosos com o simbolismo das ruas e a mitologia das encruzilhadas. Essa opção, a princípio tão somente estética ou coreográfica, traduz, também cenograficamente, uma reorientação do ambiente onde os passistas se apresentam, criando uma belíssima metáfora do samba com a vida e com seus personagens.
Foto: JM  Arruda
O empenho dos passistas independentes em revelar a grandeza de seu samba e as vozes da zona oeste é digno: "Ginga, Mocidade" é uma apresentação pautada pela autenticidade e pela curiosidade de fustigar novos caminhos e novas expressões para uma ala de passistas, colaborando para que ela transcenda os desfiles e possa se afirmar, em caráter universal, como uma manifestação artística "pioneira a erguer sua bandeira e mostrar sua raiz".
Foto: JM  Arruda
Um digno exemplo de paixão e arte que vem lá das bandas de Padre Miguel!
Foto: JM  Arruda
Cobertura fotográfica: JM Arruda

0 comentários:

Postar um comentário