BLOG CARLOS RIBEIRO

BLOG CARLOS RIBEIRO

segunda-feira, 4 de março de 2013

Búzios intensifica ações de prevenção e combate a dengue

O supervisor geral da Vigilância Sanitária, Edem Souza da Silva Filho (à direita), junto com um guarda de endemia, orienta moradora em Cem Braças sobre ações de prevenção no combate a dengue.
O supervisor geral da Vigilância Sanitária, Edem Souza da Silva Filho (à direita), junto com um guarda de endemia, orienta moradora em Cem Braças sobre ações de prevenção no combate a dengue.

A Prefeitura de Búzios intensificou as ações de prevenção e combate a dengue, objetivando eliminar os focos da doença e os riscos de epidemia. Desde janeiro, equipes de guardas de endemias, agentes comunitários de saúde e agentes da defesa civil vêm trabalhando com atividades educativas junto aos moradores e, nas últimas semanas, o trabalho foi intensificado, principalmente nos bairros onde o índice de infestação é maior. Nos últimos dias, 18 guardas de endemias têm realizado mutirão de combate em Cem Braças, Vila Verde e Manguinhos, onde visitam casa a casa, desenvolvendo diversas atividades de prevenção e eliminação do foco da dengue.
 
De acordo com a Coordenadoria de Vigilância em Saúde do município, dos nove municípios que compõem a Baixada Litorânea, seis apresentam uma taxa de incidência que configura quadro com risco de epidemia. Apesar de Búzios apresentar um Levantamento Rápido do índice de Infestação do Aedes Aegypti (LIRAa) dentro da faixa de alerta - entre 1% e 3,9% - as ações realizadas pelo município já resultam em baixa incidência de casos da doença:
 
“O número de casos suspeitos notificados entre janeiro e fevereiro deste ano foi de 156 e, destes, 87% foram confirmados. Apesar de alto, o número está controlado se observarmos o cenário epidêmico da região, neste momento, evidenciando a pronta ação das equipes de saúde na identificação e notificação de possíveis casos. A partir daí, temos tomado medidas urgentes e rápidas, a fim de que o município não passe por nenhum surto. É importante ressaltar que não há registros, até agora, de nenhum caso grave ou óbito na cidade”, explicou a coordenadora do setor, Dra. Lucy Pires.
 
Historicamente, entre os meses de março e maio, existe um aumento natural dos casos de dengue em todo o país, por conta do calor e do aumento das chuvas, condições ideais para a proliferação do mosquito transmissor da doença. Uma pesquisa recente divulgada por cientistas da Fiocruz comprovou a relação das altas temperaturas e fortes chuvas com o aumento do número de casos de dengue: o aumento de 1ºC na temperatura mínima em um determinado mês ocasiona o crescimento de 45% nos casos da doença no mês seguinte.
 
“Como sabemos deste histórico, estamos trabalhando intensivamente com o Plano de Contingência à Dengue em todo o município. Como mais de 80% dos criadouros do Aedes Aegypti encontram-se dentro das casas buzianas, a Secretaria de Saúde está empenhada na eliminação mecânica destes criadouros, seguindo a recomendação do Ministério da Saúde. Aderimos todas as ações, com distribuição de folders sobre a Campanha ’10 minutos contra a dengue’. Um dos principais objetivos é estimular a população a participar ativamente desta empreitada contra o mosquito”, disse ela.
Mutirões nos bairros– Cem Braças, Geribá, Rasa, Manguinhos, Vila Verde e Centro são os bairros, atualmente, com maior índice de infestação pelo mosquito da dengue. Para mudar este quadro, agentes da Secretaria de Saúde realizam visitas diárias às residências para orientação aos moradores e tratamento com biolarvicida, quando são identificados focos da doença. A partir de março, a expectativa é que 40 agentes componham a equipe de trabalho, auxiliando as atividades nas escolas e nos Postos de Saúde da Família. Para monitorar a doença no município, a Vigilância em Saúde realiza levantamentos semanais a fim de verificar onde estão os principais focos no município.
“O trabalho é feito em cada quarteirão, para não deixarmos de fora nenhuma localidade. Quando encontramos casos suspeitos, há um serviço de bloqueio, em um raio de 300 metros, a partir da área identificada. Aplicamos fog (espécie de fumacê nas residências) para alcançar o mosquito alado, já adulto. Na maior parte dos casos, contudo, precisamos fazer mais um trabalho de orientação, pois as pessoas esquecem que um simples vasinho de planta pode ser um criadouro em potencial”, afirmou o supervisor geral da Vigilância Sanitária, Edem Souza da Silva Filho, que destaca, ainda, a responsabilidade que a população tem em ajudar a extinguir a doença de Búzios.
 
“Precisamos que a população buziana nos ajude pois o combate a dengue não é só responsabilidade do Poder Público. Ações de proteção individual como uso de cortinados, telas nas janelas e repelentes são fundamentais na luta conjunta contra a dengue”, disse ele.

Fonte: Vanessa Campos / Ascom Búzios

0 comentários:

Postar um comentário